Quando se trata de cólica renal, um quadro de dor aguda, é preciso agir rápido para garantir o bem-estar do paciente. Para se ter ideia, de acordo com o departamento de Endourologia e Calculose da Sociedade Brasileira de Urologia, uma em cada 10 pessoas no Brasil sofre de pedras nos rins. “É uma condição mais comum entre adultos jovens, de 20 a 35 anos e acomete com mais frequência os homens”, lembra o urologista do Instituto Ellos de Medicina, Dr. Bruno Resende.

Vale reforçar que no verão, a incidência de pedras nos rins costuma a ser 30% maior que em outros períodos do ano, já que o aumento da transpiração e a maior concentração da urina facilita a formação de pedras.

 

Por que causa tanta dor?

As pedras nos rins são formações endurecidas que causam dor quando obstruem o canal que leva a urina do rim até a bexiga, que se chama ureter. Esta obstrução impede a passagem de urina do lado onde está localizada a pedra, causando essa dor que todo mundo conhece e leva o paciente ao pronto-socorro.

 

Tratamentos

O principal objetivo dos tratamentos de pedras nos rins é a desobstrução urinária e ele depende e pode variar de acordo com cada paciente. “O tratamento varia de acordo com o tamanho e a localização da pedra”, alerta Dr. Bruno. Entre os principais estão:

 

 

  • Uso de medicamentos para melhora da dor

Cálculos menores que 4 mm têm mais de 70% de chance de serem eliminados sem necessidade de procedimentos. “Em muitos casos, o tratamento se dá através da utilização de analgésicos e anti-inflamatórios para controle da dor, até que naturalmente o paciente consiga expelir a pedra”. Além disso, é necessário ficar atento à dieta, com redução do sódio por exemplo.

 

  • Litotripsia extracorpórea

Caracteriza-se pela fragmentação dos cálculos através de um aparelho de ultrassom, para que elas se tornem menores e possam ser eliminadas pela via urinária com auxílio de remédios.

 

  • Cirurgia

A cirurgia de retirada de cálculo renal é feita através da introdução de um pequeno aparelho pelo canal da urina até a localização da pedra. Nesse caso, são utilizados aparelhos semirrígidos, flexíveis e até mesmo descartáveis. Ao encontrar a pedra, utiliza-se um laser para fragmentar o cálculo renal em pequenos pedaços, que serão retirados por uma pequena cesta. Esse procedimento pode ser indicado para pedras de quase todos os tamanhos e é o método mais indicado de resolução rápida das cólicas.

 

 

Riscos da cólica renal não tratada  

Entre os principais riscos de ter uma cólica e não procurar atendimento médico, estão as lesões no rim, pelo fato deles estarem obstruídos, além das possíveis graves infecções urinárias. Por isso, é importante procurar um médico quando tiver sintomas de cólica renal.  São eles:

 

- Dor de difícil controle com comprimidos analgésicos e anti-inflamatórios;

- Sangramento na urina;

- Febre (temperatura maior que 37,8ºC);

- Enjoos e vômitos;

- Dificuldade para urinar.

 

Dica:

Muitos problemas causados pelas pedras podem ser evitados com o aumento da ingestão de água diariamente e outras medidas que você irá conversar com o seu urologista. Marque uma consulta e tire todas as suas dúvidas!